Blog de apoio ao grupo Critical-MAC da unidade curricular de Multimédia e Arquitecturas Cognitivas do Programa Doutoral em Multimédia em Educação (UA)

17
Mar 10

Avaliar é uma tarefa complexa e por isso tem sido uma preocupação constante por parte de todos aqueles que a têm de executar nos mais variados contextos. Não existem modelos perfeitos de avaliação nem por acaso nenhuma avaliação será justa.


Na tentativa de corrigir alguns desvios de participação nos blogs (conscientes ou não) no espaço de tempo calendarizado para a UC (pensando em 7 de Março) negociou-se uma nova proposta de avaliação à UC de MAC que mediada pelo diálogo síncrono e assíncrono foi adoptada por todos.


Contudo, hoje, depois do trabalho administrativo da contagem de post, sou da opinião que seria mais interessante analisar a regularidade do que a frequência. Seria muito mais perceptível e proveitoso se nos sentássemos à mesa, à velha moda antiga, para discutir e reflectir sobre o que queremos fazer. Se houve ou não corrida aos posts, se houve ou não caça às pepitas, se houve ou não … fica ao critério de cada um!


Confesso a minha falta de paciência em reescrever o que está escrito, em reafirmar o que está dito! Afinal o devia ser de carácter livre passou a ser obrigatório, o que devia ser autêntico passou a ser uma falsidade e o que devia ser limitado passou a ser dilatado.


É como o velho ditado diz: “cada um puxa a brasa à sua sardinha”.


Recordo-me que uma das observações feitas na apresentação da proposta de intervenção do grupo Critical Mac era a de que a avaliação não deve se pensada no fim do processo sob pena de se enviesarem ou inviabilizarem objectivos do próprio trabalho.


Pensando assim, eu falhei, nós falhámos. Mas, então, porque não o fiz(emos)?


Uma lição vivida: “In business as in life – you don´t get what you deserve, you get what you negotiate”    ( Chester L. Karrass)


Fizemos um bom “negócio”?


 


5 comentários:
Pois eu sinto que foi feita uma negociação e que esta, enquanto processo, foi positiva. No entanto, não sinto o mesmo em relação aos resultados finais atingidos, em especial no que toca à avaliação da participação, pois sinto nos centrarmos mais em em aspectos de forma e menos de conteúdo.
Na minha perspectiva a participação online depende do interesse percebido da ferramenta para os resultados do trabalho, ou seja, as ferramentas serão mais utilizadas quanto mais estas se apresentarem como um veículo para a obtenção dos objectivos propostos.
O que me parece é que cada grupo utilizou maioritariamente o skype para as suas reuniões de trabalho. No entanto, uma vez que esta não permite registar o histórico, não é possível que esta participação seja reflectida para fins de avaliação, embora esta possa ter sido elevada e significativa. Penso que em situações futuras teremos de arranjar formas de partilhar com o grupo as discussões que se foram realizando de forma isolada, o que permitiria mais facilmente avaliar a evolução e negociação das ideias que deram origem aos resultados apresentados na sessão final e, por consequinte, avaliar a participação online.
Fica aqui o meu desabafo porque, de facto, senti muito mais necessidade das sessões skype e da partilha na wiki dos resultados, do que na participação no blogue. O tempo é limitado e, por vezes, temos de fazer opções. penso que o trabalho ficou a ganhar.
sara-petiz a 17 de Março de 2010 às 20:29

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
18
19
20

21
23
25
27

28
29
30
31


arquivos
pesquisar
 
blogs SAPO