Blog de apoio ao grupo Critical-MAC da unidade curricular de Multimédia e Arquitecturas Cognitivas do Programa Doutoral em Multimédia em Educação (UA)

24
Mar 10

Seria "eficaz" que existisse um esquema linear e hierarquizado sobre a organização das diferentes técnicas e instrumentos no sentido de tornar mais simples e objectivo a organização e desenvolvimento da nossa temática. Contudo, estamos a falar sobre investigação em ciências humanas…


Basta algumas leituras sobre metodologias de investigação em educação para chegar a conclusão de que não existe um consenso entre os autores sobre uma organização estruturada relativa às técnicas e instrumentos de investigação. As diversas técnicas podem variar de acordo com o seu carácter epistemológico (qualitativo, quantitativo ou misto) ou tecnicista, quando se refere ao processo de recolha, tratamento e análise dos dados.


O certo é que tudo gira em torno da questão de investigação. A natureza da questão é que define as técnicas e os instrumentos (Tuckman, 2000). Diante desta dependência da questão, bem como das diferentes visões/interpretações dos autores, faz-se claro assumir uma posição não-linear na nossa organização.


Portanto, esta fase de delineamento de uma estrutura para apresentarmos as técnicas e instrumentos de investigação está a exigir um grande esforço de sitematização e de fundamentação dos conteúdos.


Pensando em trabalhar uma organização mais sistémica das técnicas e instrumentos na wiki, questiono-me sobre como fazer com que os leitores percebam esta complexidade das inter-relações.


Fica aqui um desafio ;) 


Ticiana


 


4 comentários:
Olá Ticiana !

Este assunto realmente é bastante complexo. Tendo em conta as várias classificações feitas pelos investigadores, não fica fácil uma esquematização das técnicas de recolha de dados em investigação em educação.

Segundo Pardal e Correia (1995, p. 48), "as técnicas são um instrumento de trabalho que viabiliza a realização de uma pesquisa, um modo de se conseguir a efectivação do conjunto de operações em que consiste o método, com vista a verificação empírica - confrontação do corpo de hipóteses com a informação colhida na amostra". Os autores apresentam algumas técnicas de recolhas de dados, a saber: observação, questionário, entrevista, escalas de atitudes e opiniões, análise de conteúdo, análise documental e semântica diferencial.

De Bruyne et al. (1975) citado por Lessard-HÉrbert et al. (1994), identifica três modos de recolha de dados nas investigações qualitativas: o inquérito (entrevista ou questionário), a observação e a análise documental.

Boas leituras
astrigilda a 24 de Março de 2010 às 16:57

Sem dúvida, é um desafio interessante :)
Mas já pensaste que o facto de ser feito com uma ferramenta com as características de uma wiki até pode ajudar a facilitar essa representação complexa das relações existentes?
lpedro a 24 de Março de 2010 às 23:16

Certamente procuraremos explorar a wiki neste sentido, pois uma das nossas preocupações, diria mesmo a maior, é exactamente esta – transparecer e trabalhar a complexidade com clareza e fundamentação.

Relativamente aos contributos da Astrigilda, as suas colocações, muito bem citadas, ilustram justamente esta diversidade de organização, reflexo dos diferentes olhares dos autores/investigadores. Para ilustrar um pouco mais esta “metododiversidade”, cito Quivy & Campenhoudt (1992), onde caracterizam os “métodos de recolha das informações” como sendo o inquérito por questionário, a entrevista, a observação directa e a recolha de dados pré-existentes: dados secundários e dados documentais. Indicam também como “métodos de análise das informações” a análise estatística e a análise de conteúdo.

Esta organização apresentada pelos autores considero ser questionável, a começar pela separação entre o inquérito por questionário e a entrevista, uma vez que esta última é um tipo de inquérito.
Portanto, para além de transparecer esta diversidade de organização, é preciso fazer uma análise crítica sobre as visões dos autores e, se possível, encontrar “uma forma razoável” de apresentação desta complexidade, uma vez que não existe uma forma única e correcta de organização…
ticiana a 25 de Março de 2010 às 12:17

Pois é Ticiana, a organização não está nada fácil. Mesmo agora acabo de ler um manual da Porto editora onde a organização apresentada assenta na divisão das técnicas de investigação em duas grandes "famílias": técnicas documentais e técnicas não-documentais, nestas últimas insere-se o inquérito (por questionário), observação e a entrevista. Entrevista considerada "fora" do inquérito.
Qual foi a linha de pensamento? A autora faz esta classificação com base nos pressupostos de que as técnicas documentais assentam na recolha de informação a partir de suportes bibliográficos e multimédia, enquanto que as técnicas não-documentais recorrem à observação directa ou indirecta. Só que desta forma ficamos com a entrevista "entalada" na técnica quando a já vimos referenciada como instrumento!
Do comentário do Professor Luís, adivinho que a wiki ficará um entrelaçar de ideias e concepções que pela sua própria dinâmica demonstrará as diferentes perspectivas e pontos de contacto.
sandraferrao a 25 de Março de 2010 às 12:22

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
18
19
20

21
23
25
27

28
29
30
31


arquivos
pesquisar
 
blogs SAPO